Botafogo e Fluminense, Gatito e Dourado podem se enfrentar pela primeira vez em pênalti sábado.

Frieza, no dicionário, não é lá uma grande qualidade. Além do significado literal, é comparada a indiferença, falta de amabilidade ou insensibilidade. Sinônimo de dureza e crueldade. A característica, no entanto, é uma arma para Henrique Dourado, atacante do Fluminense, quando vai cobrar um pênalti, e para Gatito Fernández, goleiro do Botafogo, quando defende um.

No clássico entre os dois times pela 32ª rodada do Brasileiro, se acontecer um pênalti a favor do tricolor, o futebol brasileiro vai parar para ver algo mais do que uma simples cobrança: será o duelo entre o melhor batedor, contra o melhor defensor de penalidades do ano.

Para Dourado, que se disse “envergonhado” com a perda da vaga na semifinal após o 3 a 3, com o Flamengo, o ano é de perfeição: 11 acertos em 11 cobranças, deslocando o goleiro em 82% das vezes. Por sua vez, Gatito pegou oito de 14 cobranças, com um incrível desempenho de 89% de defesas quando consegue acertar o canto do batedor. Tanto o atacante tricolor quanto o goleiro alvinegro esperam até o fim para saber de que lado a bola virá. Se acontecer a penalidade, o Nilton Santos tremerá.

— Em primeiro lugar, sempre torço para que não tenha pênaltis contra a gente (risos). Mas é claro que o Dourado é um grande especialista e procuro estudar seus métodos, como tento fazer contra todos os adversários. Não tem algo especial ou diferente a fazer, somente mesmo elevar ainda mais o nível de concentração diante de um batedor como ele. Mas tomara que não precise disso — disse Gatito.

E mais dados colocam maiores expectativas em um possível duelo. Apesar de variar muito (e fazer disso uma arma), a maioria das cobranças de Dourado são rasteiras, as preferidas de Gatito. Na hora de escolher o lado, Dourado varia muito, sem um mesmo padrão, assim como as defesas do paraguaio.

Dado otimista para a torcida alvinegra é que, contra cobradores canhotos, o desempenho de Gatito é perfeito: quatro cobranças, quatro defesas em 2017. Dourado cobra todos os pênaltis com a canhota.

 

— Deve ser coincidência. Não tenho preferência ou facilidade de acordo com o pé que o jogador usa para bater na bola. Os canhotos costumam ser até mais habilidosos, inclusive — declara o goleiro, claramente surpreso com a estatística.

O árbitro da partida é Luiz Flávio de Oliveira, de SP, que apitou três jogos no Brasileiro e assinalou dois pênaltis. Os alvinegros, claro, não desejam ver o “duelo”, afinal pênalti é sempre uma enrascada. Se acontecer, as chances de Gatito defender são absolutamente menores, levando em conta o desempenho dos dois em 2017, segundo o professor Gilcione da Costa, do Departamento de Matemática da UFMG, especializado em probabilidades do futebol.

— As chances de defesa são pequenas normalmente. Seja por eficiência do batedor, seja também por uma questão física. A inércia do goleiro e a velocidade da bola fazem com que seja praticamente impossível um goleiro parado alcançá-la. Então, as chances de sucesso de Dourado são superiores às de Gatito — diz o professor, que ressalta que a amostra é baixa para criar probabilidades certeiras, mas crava um número. — Uma aproximação simples obtida pela aritmética analisando o desempenho dos dois fala de 79% de chances para Henrique Dourado e 21% para Gatito Fernández.

Em 14º lugar com 39 pontos — a quatro da zona de rebaixamento —, o Fluminense pode se agarrar a esses números para, enfim, vencer um clássico estadual no Brasileiro. Foram dois empates (ambos para o Flamengo) e três derrotas. Uma delas para o Botafogo, no primeiro turno, por 1 a 0.

Em clássicos, o retrospecto do tricolor é ruim no ano. Até o momento, foram 15 jogos contra os três cariocas, em todas as competições. Venceu apenas três, com um aproveitamento de apenas 31% (sete derrotas no total). Por outro lado, o Botafogo — em sexto com 48 pontos — mostrou-se um especialista em clássicos no Brasileiro. Até agora, foram três triunfos, um empate e uma derrota — 66,6%.

Os dois times terão reforços: o Botafogo terá os retornos do volante Lindoso e do meia Marcos Vinícius, que cumpriram suspensão.

Ainda abatido pela eliminação na Sul-Americana para o Flamengo, o Fluminense contará uma das prováveis novidades é a volta de Gum, que só está inscrito no Brasileiro. Outro que pode retornar é Henrique, recuperado de lesão. Abel se defendeu das críticas pela entrada de Romarinho no segundo tempo:

— Ontem o Wellington falou que não estava 100%. Sobre o Romarinho, ele vem treinando muito bem. Sornoza não estava bem também. Na Sul-Americana só podem sete no banco.

Tirado de:

Toscano, G., & Machado, T. (2017, November 03). Gatito e Dourado podem se enfrentar pela primeira vez em pênalti sábado. Retrieved from https://m.oglobo.globo.com/esportes/gatito-dourado-podem-se-enfrentar-pela-primeira-vez-em-penalti-sabado-22025053

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *